Spring > Espanol > Manuales > Tutorial de Geoprocessamento > Geração de Carta
Geração de Carta

O que é o SCARTA?

  • É um gerador de cartas utilizado para edição e obtenção de uma saída de apresentação gráfica de alta qualidade.
Como se relacionam CAD, SIG e um gerador de cartas?

  • A diferença fundamental entre um software de CAD e SIG, reside na diversidade de dados utilizados para a realização de suas tarefas, sendo que um SIG utiliza muito mais dados do que um CAD. O SIG realiza operações com dados vetoriais e matriciais (imagens "raster"), enquanto os CAD's se limitam a trabalhar com dados vetoriais. O CAD é usado para desenhos de caráter técnico que variam desde projetos de aviões até projetos de circuitos integrados, podendo ser usado para geração de cartas. No entanto, o CAD não oferece facilidades para execução desta tarefa, ao contrário do gerador de cartas que tem funções especializadas para a elaboração de cartas.
O que é um mapa?

  • Representação gráfica de uma superfície plana em uma determinada escala, com a representação de acidentes físicos e culturais da superfície da Terra.
O que é uma carta?

  • Representação gráfica dos aspectos naturais e artificiais da Terra, destinada a fins práticos da atividade humana, permitindo a avaliação precisa de distâncias, direções e a localização plana.
O que é uma folha?

  • Resultado da subdivisão de uma carta, de forma sistemática, com corte e formato estabelecido por um plano nacional ou internacional.
O que é uma planta?

  • Representação cartográfica plana de uma área de extensão pequena na qual a curvatura da Terra não precisa ser considerada de modo que a escala pode ser constante.
O que é uma carta no SCARTA?

  • Qualquer produto cartográfico digital eleborado pelo SCARTA independente de escala e aplicação e permitem eficiente apresentação de uma grande quantidade de informação sobre os objetos e seus relacionamentos espaciais. Pode apresentar informações de variações espaciais de um único fenômeno (exemplo: ocorrência de erosão) ou relacionamento entre fenômenos (exemplo: diferentes classes de tipos de solo).
Quais características deve ter uma carta?

  • Deve ter um tema principal ou fato a ser analisado e informações adicionais que sirvam de referência sobre o local onde ocorre o fenômeno. As informações adicionais são denominadas mapa base. Exemplos dados representadas em mapa base: rios, curvas de nível, cotas altimétricas, rede viária.
  • Deve haver equilíbrio entre o mapa base e as informações temáticas, para evitar que a base não diminuia a legibilidade do mapa, mascarando os dados temáticos. A quantidade e os detalhes da indicação da base devem variar de acordo com a escala de trabalho e do tema principal representado.
Quais são os elementos fundamentais de um carta?

  • Título - Descreve o propósito da carta e deve estar em local de destaque.
  • Tamanho - Depende do propósito da carta e das limitações do dispositivo de saída do usuário. Formatos de papel padronizados devem ser utilizados em trabalhos oficiais, sendo o formato básico da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) o A0, do qual derivam os demais formatos.



    Quanto ao tamanho
    Quanto a representação
    Escala
    Aplicações
    Escala Grande
    Escala de Detalhe
    até 1:25.000
    Plantas Cadastrais, Levantamentos
    de detalhes ou planos topográficos
    Escala Média
    Escala de Semi-detalhe
    de 1:25:0000 até 1:250.000
    Cartas topográficas
    Escala Pequena
    Escala de Reconhecimento
    ou de síntese
    de 1:250.000 e menores
    Cartas Corográficas
    e cartas gerais


  • Legenda - Classe ligando atributos não-espaciais a entidades espaciais. Atributos não-espaciais são indicados por cores, símbolos ou sombreamentos.
  • Localização - Permite que o objeto seja confrontado com o espaço que o contém por meio de um sistema de coordenadas, em geral em coordenadas geográfica de latitude e longitude.
  • Equilíbrio e Lay-out - Equilíbrio é dado pela posição dos componentes apresentados em uma maneira lógica, destacando os objetos a enfocar. Um desenho balanceado não deve ser muito claro nem muito escuro, curto ou longo, pequeno ou grande. Lay-out é o processo para se chegar ao equilíbrio adequado.
  • Contraste de padrões - Diferentes padrões para representação devem ser utilizados para diferentes regiões na carta, podendo ser compostos por linhas, pontos ou combinações de ambos.
  • Cor - Variável visual mais forte, facilmente perceptível e intensamente seletiva, delicada para manipular e difícil de se utilizar. Deve ser escolhida em função da ênfase desejada para um dado, uma vez que algumas cores são mais perceptíveis que outras. O olho humano é mais sensível ao vermelho, seguido pelo verde, amarelo, azul e púrpura. Deve-se consultar ainda as cores mais utilizadas para representar os tipos de dados da carta. Exemplos: estradas são representadas em vermelho, rios e mares em azul, florestas em verde, em cartas climáticas, as áreas tropicais em vermelho e as regiões de clima seco, em amarelo.
  • Claridade e legibilidade - Qualidades de uma carta na qual a informação desejada pode ser facilmente encontrada, estando diferenciada das outras e permitindo ser memorizada sem esforço. A legibilidade pode ser obtida com a escolha apropriada de linhas, formas e cores. As linhas devem ser claras, finas e uniformes. Cores, padrões e sombreamento devem ser facilmente distinguíveis e corretamente registrados. As formas dos símbolos utilizados não devem ser confusas. Deve-se separar os objetos e símbolos do tema tratado dos correspondentes ao mapa base para evitar que a densidade gráfica grande torne a leitura confusa e complicada.
Como deve ser a apresentação das cartas?

  • Deve seguir um formato padrão, como o da folha geológica 1:50000 do IPT do exemplo seguinte:



    Onde:

    1 - Nome e codificação da folha 9 - Nome da carta
       Ex: São Paulo - SF-23-Y-C-VI-2 10 - Escala numérica

    2 - Nome dos órgãos contratantes e executor 11 - Escala gráfica

    3 - Descrição das unidades litoestratigráficas 12 - Ano de execução

    4 - Convenções geológicas 13 - Articulação da folha

    5 - Convenções planialtimétricas 14 - Projeto e equipe executora

    6 - Informações sobre o mapa-base 15 - Áreas p/ a localização das seções

    7 - Declinação magnética 16 - Espaço reservado (optativo) para título da

    8 - Localização da folha geológicas carta e referência bibliográfica do mesmo
O que é generalização?

  • Significa distinguir entre o que é essencial e o não é essencial, conservando-se apenas o útil. Tem influência direta na qualidade da representação cartográfica permitindo que a carta seja simples, clara e objetiva, sem eliminar detalhes relevantes, omitindo apenas os sem valor. A generalização tem relação direta com a escala escolhida pelo usuário, a escala dos dados, o tiipo dos dados e os elementos de cartografia que comporão o mapa.

Copyright © 2002 SPRING - DPI/INPE